10 dicas para a redução de custos logísticos

A logística é um fator essencial para o sucesso de uma empresa. Para trabalhar a favor do negócio, ela deve ser bem planejada, executada e controlada — práticas que implicam em alguns gastos que podem preocupar os responsáveis pela gestão organizacional.

dicas para a redução de custos logísticos

Felizmente, existem algumas medidas podem auxiliar na redução de custos logísticos em seu negócio, seja ele uma empresa física ou um e-commerce. No artigo de hoje, separamos 10 dicas que podem contribuir para alcançar essa diminuição! Vamos conhecê-las?

1. Conheça seus custos logísticos

O primeiro passo é medir seus custos logísticos. A logística abrange as seguintes atividades: armazenagem, movimentação de materiais, estoque e transporte. É extremamente necessário conhecer quais são estes gastos, pois isso exerce uma grande ajuda na tomada de decisões.

Dessa forma, pode-se realizar um comparativo de custos x orçamento, que ajuda a identificar em quais categorias os dispêndios estão maiores do que o adequado, quais pontos precisam de atenção e como direcionar as ações de redução. Além disso, a definição de metas torna-se mais eficaz, facilitando o acompanhamento dos resultados.

2. Racionalize suas rotinas de entrega

Utilize um bom sistema, como um software, para gerenciar o tráfego dos itens. Isso evita a ocorrência de diversos erros que resultam em gastos, como despachar separadamente produtos que fazem parte da mesma compra ou enviar pedidos trocados, por exemplo.

Além disso, a utilização de uma ferramenta voltada para a elaboração de rotas pode ajudar a encontrar e definir quais são os percursos mais eficientes para as entregas, considerando o volume das cargas, os pontos de distribuição, o gasto de combustível, entre outras variáveis.

3. Estabeleça contato com diversas transportadoras

É recomendado possuir variadas opções de transportadoras para não depender dos preços e condições de apenas uma. Isso permite que se negocie preços melhores, regiões de entrega mais interessantes e maior flexibilidade no volume de cargas e remessas.

Possibilita também um melhor atendimento das necessidades do cliente, com variadas condições de frete e preços mais atrativos. Vale ressaltar que em um e-commerce essa variedade de prazos e preços pode ser fundamental para o fechamento de uma venda — ou gerar abandono do carrinho.

4. Utilize formas de entrega alternativas

Dependendo das circunstâncias de entrega, como produtos de menor volume, torna-se mais lucrativo realizar o frete por meio de um modal alternativo. Existem diversas opções: carros menores (como Fiorino), motos e, inclusive, bikes! Optar por meios alternativos pode ser uma maneira inteligente de reduzir os custos logísticos.

5. Adote a tecnologia em seu favor

A tecnologia existe para facilitar nosso dia a dia. Nas empresas, isso não é diferente, muito menos no setor de logística. Investir em soluções tecnológicas pode trazer diversos benefícios, como agilidade nas entregas, redução de desperdícios, melhorias nos produtos e, é claro, redução de custos logísticos.

Existem diversas soluções que podem ajudar a aprimorar a gestão logística e a diminuir os gastos. Veja algumas.

ERP

Não é um sistema especificamente voltado para a gestão logística, mas sim para a gestão integrada da empresa. No entanto, ele contribui para melhorias à medida que faz a troca automática de informações, melhora a comunicação, automatiza os processos (reduzindo o risco de erros) e aumenta a produtividade.

Por meio dele, a logística pode monitorar constantemente o volume de vendas, por exemplo, podendo equilibrar os níveis de estoque e dimensionar corretamente a necessidade de veículos para entrega — aumentando a eficiência do setor.

WMS

O WMS é um sistema voltado para o controle de rotinas dentro do estoque. Por meio dele, controla-se processos como recebimento, armazenagem, separação de pedidos, inventário de materiais e expedição.

TMS

Já o TMS é uma ferramenta voltada para a gestão de transporte. Entre as funcionalidades que podem ser oferecidas estão a consolidação de cargas, monitoramento das entregas, gestão de ocorrências e auditoria de faturas, além do roteirizador, que também ajuda a reduzir os custos, como citado anteriormente.

6. Monitore as contratações de frete

Depois do planejamento e da execução, uma etapa muito relevante é o controle. Só assim é possível identificar o que está dando certo, as falhas, os lucros, os prejuízos, entre outros aspectos fundamentais para o sucesso do negócio.

Desta forma, pode-se analisar a situação atual da empresa, o que permite maior facilidade na tomada de decisões e na formulação de estratégias novas.

7. Invista na terceirização logística

Uma recomendação é avaliar a possibilidade de uma logística terceirizada em seu negócio. Atualmente, há no mercado uma grande variedade de empresas que oferece estes serviços. É importante escolher a mais adequada aos interesses e necessidades da sua organização.

A terceirização gera diversas consequências positivas, como simplificação dos processos da empresa, melhorias na experiência do cliente e, principalmente, redução de custos logísticos.

8. Faça a previsão de demanda

A previsão de demanda pode ser realizada com base nos dados da área comercial (histórico de vendas e análise do comportamento do mercado) e da gestão de estoques (giro dos produtos).

Ao cruzar essas informações, torna-se possível criar estimativas de qual será a procura dos clientes nos próximos períodos e organizar a aquisição de novos produtos. Assim, a composição do estoque passa a se basear na realidade do negócio, evitando problemas como faltas, excessos e desperdícios.

Tudo isso influencia diretamente nos custos operacionais, na redução de perdas e prejuízos e na otimização do gasto do capital de giro do negócio.

9. Utilize a curva ABC na gestão de estoque

A curva ABC é um método de análise de estoque que classifica os itens por relevância, de acordo com o impacto que as vendas geram no faturamento, no lucro e no giro.

  • Grupo A: os produtos dessa classe costumam ter maior valor agregado, o que significa um faturamento satisfatório, altos lucros e possuem um médio giro.
  • Grupo B: são os principais produtos da empresa, que vendem mais e não são tão caros como os do grupo anterior. Possuem alto giro (já que saem bastante), são responsáveis por maior parte do faturamento e o lucro é satisfatório, mas não tão alto como nos itens de classe A.
  • Grupo C: são os produtos pouco vendidos, mas que são necessário para atender a procura de alguns clientes. O giro é baixo, assim como o faturamento e o lucro gerado.

Por meio dessa divisão, fica mais fácil identificar a composição ideal do estoque e evitar problemas como obsolescência, altos custos de manutenção de estoque e prejuízos com a aquisição de itens que ficarão parados.

10. Acompanhe indicadores de desempenho

Os indicadores de desempenho (KPIs) são ferramentas de gestão que ajudam a identificar os resultados dos processos. Eles ajudam a reduzir os custos logísticos por meio da identificação de falhas e oportunidades de melhoria. Sendo assim, deve-se acompanhar métricas como:

  • custos com fretes;
  • custo do estoque;
  • índice de avarias e extravios;
  • quantidade de reentregas.

A redução de custos logísticos é crucial para a sobrevivência e competitividade de uma empresa no mercado, mas deve ser feita com planejamento e de forma estruturada. O ideal é realizar análises antes de tomar decisões, visando evitar ações que diminuam os gastos, mas comprometem a qualidade dos produtos e serviços oferecidos.

Quer saber mais sobre redução de custos logísticos e eficiência? Entre em contato conosco e esclareça suas dúvidas agora mesmo!

Avatar

O Blog Logística é um espaço para falar sobre o mercado logístico brasileiro, notícias, opiniões de profissionais reconhecidos e muita informação para você acompanhar tudo bem de perto. Seja bem vindo e boa leitura!

2 Comentários

  1. Avatar Anônimo disse:

    Excelente dicas !

COMENTÁRIOS

Deixe o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

três × dois =