Revisitar e resgatar a engenharia

nd00012O mercado imobiliário continua promissor, porém as empresas incorporadoras e construtoras têm uma agenda árdua a cumprir. E trata-se da “velha” e da “nova” agenda. A “velha” é a de resgate das boas práticas do setor, entre os anos de 1995 e 2007, perdidas nestes últimos seis anos. Dizem respeito à estabilização e gestão de processos, gestão da qualidade, orçamentação, planejamento e controle de obras, qualidade dos projetos e segurança do trabalho. Trata-se de um processo de resgate da engenharia, planejamento e gestão que se perdeu ao longo do processo de crescimento do mercado.

Na “velha” agenda está também a necessidade das empresas revisitarem as boas práticas de planejamento estratégico e gestão empresarial, criando um sistema de padrões de processo e de indicadores que, aliados à tecnologia da informação, criam as bases para a gestão das metas e dos processos de negócios, permitindo monitorar eventuais desvios, identificar suas causas e implementar as ações corretivas e preventivas. Ou seja, um sistema de gestão que permita rodar na empresa o ciclo PDCA (Planejar, Fazer, Checar e Agir), tanto em suas rotinas quanto em seus processos estratégicos.

A “velha” agenda deve revisitar também os programas de gestão da qualidade e de segurança do trabalho, que possibilitam ganhos importantes no combate ao desperdício e ao retrabalho. A padronização dos processos de execução de obras, realização de treinamentos e inspeção de materiais e serviços, podem garantir a qualidade do produto final e a saúde e segurança dos trabalhadores.

Ainda faz parte da “velha” agenda revisitar as boas práticas de elaboração de orçamentos, planejamento, programação e controle de obras utilizando as metodologias e conhecimentos já consagrados no setor da construção, ou adotando novas abordagens como a filosofia lean e as ferramentas e conceitos do PMI – Project Management Institute. Este esforço de valorização da engenharia deve resultar em modelos e práticas de gestão da produção que garantam os prazos e custos e aumentem a produtividade dos canteiros.

Roberto Souza

Engenheiro Civil, Mestre e Doutor em Engenharia pela Escola Politécnica da USP. Presidente do CTE (Centro de Tecnologia de Edificações), empresa de consultoria especializada no setor da construção, que exerce suas atividades em todo o Brasil desde 1990. Especialista em gestão estratégica, gestão empresarial, gestão da qualidade, tecnologia da construção, sustentabilidade e inovação. Autor de oito livros técnicos focados em Tecnologia e Gestão de Empresas Incorporadoras, Construtoras e Projetistas.

PUBLICADO EM Carreira TAGS:

0 Comentários

COMENTÁRIOS

Deixe o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

vinte − três =