Last mile: como superar os desafios logísticos?

last mile

Para o setor logístico, a segmentação das fases de transporte ajuda a aumentar a sua eficiência. Desse modo, o fabricante embarca as cargas destinadas ao centro de distribuição em determinada região, e no galpão é feita a separação das mercadorias a serem enviadas na fase chamada de last mile.

Em geral, esse frete ocorre em veículo de menor porte para facilitar a sua circulação nos grandes centros urbanos e áreas residenciais. Para entender como superar os desafios dessa modalidade de entrega, continue com a leitura deste conteúdo para saber todos os detalhes. Confira!

O que é a entrega last mile?

O last mile (última milha, em português) consiste na entrega até o consumidor final. Por uma questão de economia e acessibilidade, dificilmente uma entrega vai sair do fabricante e ir diretamente para a porta do cliente. Hoje, a maioria das empresas opta por terceirizar a sua operação de transporte e faz uso de galpões logísticos como intermediários.

Por isso, o que ocorre na realidade é o envio das mercadorias para o centro de distribuição que atua em uma cidade ou região específica. Neste local, as cargas são separadas e embarcadas de acordo com a localização e, por fim, enviadas ao destinatário.

Esse é o last mile, que depende de vários operadores logísticos para viabilizar a distribuição de produtos em escala nacional.

Como evitar os gargalos no last mile?

Atualmente, as empresas de transporte lidam com diversos clientes, desde a indústria até o varejo. Além disso, a recente mudança no comportamento do consumidor resultou no crescimento do comércio eletrônico. Esse é um ambiente dinâmico que requer o acompanhamento da evolução das transportadoras e das tendências de consumo.

Por esse motivo, é fundamental equilibrar os custos e os investimentos na otimização da operação. Tais melhorias são responsáveis por gerar o aumento da eficiência, produtividade e, acima de tudo, da lucratividade.

Disponibilizar informações sobre a entrega

Um dos principais aspectos que amplia confiabilidade entre vendedores e seus clientes é o compartilhamento de informações. Nesse caso, é recomendado disponibilizar a consulta das fases de:

  • aprovação do pagamento do pedido;
  • emissão de documentos fiscais;
  • expedição do pedido;
  • envio para transportadora;
  • andamento da remessa.

Esse processo pode ser implementado de diversas maneiras, como o envio de informativos por e-mail, a consulta no próprio site da loja e por meio do uso de chatbots.

Garantir o cumprimento dos prazos de entrega

Um aspecto que afeta o processo de entrega é a distância a ser percorrida. Em um país de grandes proporções como o Brasil, algumas regiões ainda têm infraestrutura deficiente, o que não favorece as entregas.

Esse tipo de remessa, que depende de vários parceiros, enfrenta vários problemas principalmente em regiões rurais. Além disso, os grandes centros urbanos também têm elementos desfavoráveis.

Muitas cidades restringem a circulação de veículos de cargas, limitam os espaços para estacionamento e são afetadas pelo tráfego pesado no dia-a-dia. Todos esses fatores são prejudiciais ao sucesso da operação de transportes.

Quais são os desafios do last mile?

Os desafios do last mile estão relacionados à própria eficiência dos serviços de frete. As empresas enfrentam questionamentos que envolvem planejamento e gestão dos recursos disponíveis, são eles: Como aumentar a taxa de ocupação das frotas quando as entregas são pulverizadas? De que forma é possível utilizar os sistemas de roteirização para aumentar a produtividade? Quais iniciativas podem ajudar a reduzir os custos?

A partir dessas questões, é possível identificar os principais obstáculos e desenvolver soluções apropriadas.

Serviço de entrega agendada

Embora essa seja uma opção atrativa para os clientes que dispõem de pouco tempo para receber mercadorias em casa, as chances de falhas são muito altas. Por esse motivo, a maioria das empresas não oferece essa opção ou restringe o seu uso a produtos específicos.

Para que seja possível determinar com precisão qual será a janela de entrega é necessário controlar todas as etapas que são executadas antes da chegada ao destinatário. Isso inclui os tempos de carga e descarga e a movimentação das mercadorias dentro dos galpões.

Além disso, os entregadores estão sujeitos a atrasos no trânsito, defeitos no veículo e o simples fato de que as entregas anteriores podem demorar mais do que o programado. Por isso, é preciso criar um planejamento extensivo antes de oferecer esta comodidade.

Incidência de erros nos pedidos

A maioria dos processos de envio de produtos são bastante informatizados. As embalagens são dotadas de códigos de barras, o que permite a sua conferência e rastreamento em todas as etapas do fluxo.

Contudo, ainda é possível que eventuais erros ocorram e a sua origem deve ser identificada. Como a separação e a expedição de cada ordem ocorrem dentro do fabricante ou nos seus centros de distribuição, então, podemos presumir que essa seja a origem dos erros.

Os casos em que a mercadoria é entregue ao destinatário errado são mais raras devido à checagem dos dados de entrega e da pessoa que recebeu a encomenda.

Custos com reentrega e devolução

A reentrega é um dos maiores custos da operação de distribuição e onera tanto os vendedores como os seus clientes. Isso acontece quando, por algum motivo, a entrega não pode ser realizada imediatamente.

As principais razões são a chegada fora da janela de entrega, a ausência do destinatário do local e problemas com a documentação fiscal do produto. Com isso, a transportadora é forçada a realizar novas tentativas de entrega, o que encarece o seu serviço.

Além isso, seja por causa de erros no processamento do pedido ou por causa do cliente exercendo o seu direito de arrependimento, os casos de devolução são bastante comuns. Esse é um elemento que requer a adoção de processo de logística reversa eficiente para realizar os trâmites necessários para enviar o produto correto ou ressarcir o cliente.

Mercadorias danificadas

Um dos maiores problemas com o processo de movimentação de mercadorias é a incidência de avarias. São diversas instâncias em que os danos podem ocorrer desde a movimentação interna nos galpões até a circulação dentro dos veículos.

Porém, o last mile tende a ser a etapa que apresenta um potencial para imprevistos. As ocorrências mais comuns tem relação com o tipo de embalagem utilizada e a forma como as mercadorias são organizadas no compartimento de carga. Como resultado, os clientes buscam solucionar esses imprevistos por meio da troca ou da devolução dos produtos.

É nesse contexto que os principais incidentes tornam-se desafios para o crescimento tanto das empresas como dos operadores logísticos. O ambiente dos serviços de last mile está mudando, seja pela crescente complexidade da operação ou pela atuação de novas empresas. Fica claro como o setor tem que continuar a evoluir, por isso, é tão importante dedicar tempo e recursos para avaliar a operação e buscar o seu aprimoramento.

Se você tem interesse em se atualizar com conteúdos como este, basta seguir a nossa página no Linkedin.

Sérgio Grossi

Presidente e fundador do Grupo SGO, formado pelas empresas: SGO Construções; SG Projetos; ALMI Imóveis Corporativos; Montele Elevadores; e sócio das empresas MZO Desenvolvimento Imobiliário e VTO Polos Industriais.

PUBLICADO EM Tecnologia TAGS:

0 Comentários

COMENTÁRIOS

Deixe o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois × 4 =