Conheça as vantagens da descentralização das operações logísticas

O desenvolvimento de uma boa estratégia logística envolve, entre outras questões, tomadas de decisão e escolhas que determinam o futuro do negócio — seja para seu sucesso ou não. Entre elas, está a possibilidade de descentralização das operações logísticas e os impactos que ela pode causar nos resultados. Mas você sabe o que é descentralização?

Neste artigo explicaremos o seu conceito, como a implementação pode ser feita e quais benefícios podem ser obtidos a partir dessa opção. Continue a leitura e tire suas dúvidas agora mesmo!

O que é descentralização das operações logísticas?

De maneira geral, a descentralização das operações logísticas pode ser definida como a distribuição de papéis para níveis hierárquicos menores ou demais áreas. Isso significa que as operações são descentralizadas do topo ou de apenas uma filial, por exemplo.

Nesse processo, o comando para tomadas de decisões se divide pelos níveis hierárquicos inferiores, os quais todos os colaboradores envolvidos participam da solução de problemas.

Do contrário, na centralização, a autoridade para decidir se posiciona pelos níveis hierárquicos superiores, ou seja, pelos cargos mais altos da empresa, como consequência disso ocorre a redução dos centros de decisão.

Normalmente, a descentralização das operações logísticas pode ser exigida quando a carga de trabalho estiver muito alta ou exigir complexidade para a sua execução.

Quais são os tipos de descentralização?

Existem vários tipos de descentralização do trabalho que podem ser aplicados perfeitamente na área de logística. Depois entender quais são as opções, você terá conhecimento o bastante para definir qual a melhor escolha para a sua empresa. Conheça agora quais são.

Administrativa

Esse tipo de descentralização ocorre quando a empresa não desenvolve um serviço pela sua própria administração. Isso significa que responsabilidades podem ser atribuídas a outra organização.

Política

A descentralização política é a repartição de competências. No estado, ela pode ser observada pela sua divisão em níveis: União, estados e municípios. Estados e municípios podem prestar serviços próprios.

Territorial ou geográfica

A descentralização geográfica ou territorial consiste na criação de uma outra pessoa jurídica, com limites geográficos preestabelecidos e capacidade administrativa geral.

Na logística, esse tipo de descentralização pode se relacionar com a divisão das operações logísticas por meio da instituição de galpões. Essas estruturas costumam se posicionar em locais estratégicos e de fácil acesso às principais rodovias, o que agiliza o escoamento da produção.

Serviços

Esse formato de descentralização do Estado é mais conhecido como descentralização indireta. Nele, os serviços são ramificados pela criação de entidades jurídicas, dos quais são transferidas não só a execução de serviços públicos como também a sua titularidade, por exemplo a fiscalização e regulamentação de um determinado setor.

Colaboração

Esse tipo de descentralização acontece quando uma organização política ou administrativa concede a execução de um serviço para uma outra pessoa jurídica por meio de contrato.

A descentralização por colaboração é comumente encontrada no setor de logística mediante a terceirização de serviços. Essa estrutura permite que uma empresa transfira as suas atividades-meio para prestadoras de serviços, o que proporciona maior disponibilidade de recursos para a sua atividade-fim.

Desse modo, a estrutura operacional é reduzida, isso diminui os custos, economiza recursos e agiliza as operações de uma empresa.

Para saber qual o tipo de descentralização se encaixa melhor ao perfil do seu negócio é necessário compreender os fatores que impactam na descentralização. Eles abrangem:

  • estrutura;
  • cultura organizacional;
  • estratégia que a empresa pretende seguir;
  • características dos líderes;
  • modelo decisório;
  • grau de formalidade.

Como ela pode ser aplicada?

O intuito de descentralizar atividades é preservar que os níveis mais altos na hierarquia comandem totalmente as operações, proporcionando, assim, uma distribuição homogênea das demandas de um negócio.

Um bom exemplo disso é concentrar pequenas quantidades de estoque nas unidades (apenas o suficiente para atender a demanda), enquanto elas são abastecidas por um centro de distribuição (CD).

Dessa forma, ainda que o CD seja responsável por controlar a operação macro — negociar com fornecedores, acompanhar os níveis de estoque, fazer análise de curva ABC, entre outras —, são as unidades que devem monitorar as vendas, a quantidade de itens disponíveis e qual é o momento ideal para o ressuprimento.

A descentralização na logística pode ser aplicada nos seus diversos setores, podendo acontecer desde a descentralização da sua armazenagem até a entrega de seus produtos. Além de observar os fatores que podem influenciar as operações na cadeia de suprimentos, o gestor deve analisar em qual etapa esse recurso pode ser melhor implementado, a fim de agilizar os seus processos e, assim, aumentar a sua produtividade.

No Estado, a descentralização já é uma tendência bem forte. Está previsto que 23 áreas da Administração tenham competências transferidas para autarquias. Isso significa mais contratação de serviços e profissionais para suprir as necessidades dos cidadãos brasileiros. O intuito é que até 2021 essa descentralização ocorra obrigatoriamente.

Quais vantagens ela proporciona para o negócio?

Desburocratização dos processos

Quando determinado fluxo envolve várias pessoas e níveis dentro de uma organização, principalmente quando necessita de aprovações, a tendência é que se enfrente uma grande burocracia até finalizar o processo. Isso pode gerar perda de tempo, atrasos, inconsistências nas informações e diversos problemas que prejudicam a eficiência.

Com a descentralização, por outro lado, cada líder, área ou unidade tem suas atribuições bem definidas, podendo resolver diretamente suas questões.

Maior autonomia e agilidade na tomada de decisão

Com a desburocratização, ganha-se também em autonomia e rapidez na tomada de decisão. Isso é possível porque os processos se tornam menos engessados e a necessidade de aprovação direta é menor, passando a ser importante apenas em situações estratégicas e urgentes.

Aumento da eficiência operacional

Eficiência significa aumento da produtividade, com garantia da qualidade e com a mesma quantidade de recursos disponíveis. A descentralização ajuda nesse sentido à medida que garante a otimização na finalização dos processos e aumento da produção.

Redução de custos

Ela já pode ser alcançada ao tornar os processos mais eficientes. Entretanto, existem algumas decisões que também contribuem para que isso se torne possível. É o caso do aluguel de galpões para a operação de um centro de distribuição: com essa escolha, a empresa é obrigada a investir em uma estrutura própria, ganhando em escalabilidade e possibilidade de expandir as operações, entre outros benefícios.

Viu só como a descentralização das operações logísticas pode ser uma excelente aliada na melhoria da gestão dos processos e no aprimoramento dos resultados? Com esse método, a sua empresa pode agilizar ainda mais as atividades desse setor. Verifique qual a melhor opção para seu negócio e invista nesse procedimento. Assim, é possível alcançar o sucesso no seu trabalho e a satisfação plena dos seus clientes.

O que você achou do nosso post sobre o que é descentralização das operações logísticas? Quer ter acesso a outras publicações interessantes como esta? Então, siga nossas redes sociais e acompanhe as novidades: FacebookTwitterYouTube e LinkedIn.

Logística e imagem de marcaPowered by Rock Convert
Avatar

O Blog Logística é um espaço para falar sobre o mercado logístico brasileiro, notícias, opiniões de profissionais reconhecidos e muita informação para você acompanhar tudo bem de perto. Seja bem vindo e boa leitura!

PUBLICADO EM Mercado TAGS:

0 Comentários

COMENTÁRIOS

Deixe o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quinze − doze =